Medicina Dentária

Área da saúde que previne, diagnostica e trata as doenças que afetam os dentes, as gengivas e a mucosa oral, assim como a reabilitação estética e funções dentárias. Conheça as nossas especialidades.

A ortodontia é a especialidade da medicina dentária que se dedica à prevenção e correção das más posições dos dentes e dos maxilares, oferecendo uma adequada função mastigatória, muscular e articular, com benefícios para a saúde e bem-estar geral. Pode ser realizada em qualquer idade, promovendo a melhoria da estética da face e do sorriso, com o consequente aumento da autoestima e facilidade de inserção social. O alinhamento dos dentes permite ainda uma melhor higiene oral, diminuindo o risco de cáries e problemas gengivais.
As doenças periodontais afetam os tecidos que envolvem e suportam os dentes – periodonto – que incluem, para além da gengiva, o osso alveolar e outras estruturas responsáveis por manter os dentes firmemente implantados nos maxilares. Este tipo de patologia oral é o principal responsável pela perda de dentes na população mundial, atingindo cerca de 90% dos indivíduos com idade superior a 35 anos. As principais doenças periodontais dividem-se em dois grandes grupos: as gengivites e as periodontites. Nas gengivites, existe uma inflamação superficial da gengiva, sendo facilmente tratada, com recuperação total dos tecidos. Nas periodontites, há uma destruição das estruturas mais profundas, com reabsorção do osso, que, se não forem tratadas, podem levar a perdas dentárias. Uma adequada higiene oral, caracterizada por uma correta técnica de escovagem, uso do fio dentário e de elixir bucal, acompanhada por visitas regulares ao seu Médico Dentista, previnem este tipo de alterações periodontais.

Os implantes funcionam como “raízes artificiais”, utilizadas para substituir um ou mais dentes ausentes ou perdidos, com o objetivo de suportar uma coroa, ponte ou prótese.
Os procedimentos cirúrgicos associados ao tratamento com implantes estão perfeitamente protocolados e a maioria das situações não implica qualquer tipo de incómodo e/ou dor.

É a área da Medicina dentária responsável pela promoção e diagnóstico da saúde oral na criança. Tem como principal objetivo a manutenção de uma dentição saudável até à idade adulta. A primeira consulta deve ser realizada quando os primeiros dentes temporários (ou “de leite”) erupcionam, de modo a estabelecer um programa preventivo de saúde oral e a intercetar hábitos que possam ser prejudiciais e que possam agravar-se em idade adulta.

A cirurgia oral é a área da Medicina dentária que se dedica ao diagnóstico e tratamento cirúrgico das patologias, lesões e anomalias dos dentes, boca, maxilares e estruturas anexas. De entre os procedimentos mais frequentes destacam-se:

– Exodontia de dentes simples ou complexos (inclusos ou semi-inclusos); 

– Remoção de quistos; 

– Biopsias incisionais ou excisionais de lesões nos maxilares, mucosa e língua; 

– Apicectomias; 

– Colocação de implantes dentários; 

– Excisão de bridas e frenectomias. 

É a área da medicina dentária que trata as lesões dos dentes, sejam elas causadas por cárie, traumatismo ou alterações de forma ou cor. O tratamento destas lesões é realizado após remoção do tecido afetado e substituição com materiais que simulam a estrutura do dente perdido. As resinas compostas são o material estético de eleição para a restauração de dentes posteriores e anteriores, de forma direta ou indireta, representando o procedimento mais realizado no consultório dentário.

Qualquer pessoa com idade superior a 18 anos e com um bom estado de saúde oral pode efetuar um branqueamento dentário. Pacientes com lesões de cárie, desgaste dentário, ou hipersensibilidade, podem necessitar de tratamentos prévios, daí a importância de o branqueamento ser realizado e controlado pelo seu Médico Dentista. No âmbito da estética dentária, a colocação de facetas dentárias consiste num tratamento minimamente invasivo e conservador, que permite a correção de imperfeições dos dentes, sejam elas de forma, cor, tamanho ou posição. É realizado pela adesão ao dente de uma “capa” de cerâmica feldspática de espessura muito reduzida, semelhante à de uma lente de contacto. Além do fator estético, este tratamento apresenta ainda vantagens em termos de funcionalidade e durabilidade das estruturas dentárias.

A endodontia, vulgarmente designada por “desvitalização”, é o ramo da Medicina Dentária que se dedica às patologias da polpa dentária e dos tecidos que rodeiam as raízes. O seu tratamento consiste na remoção completa da polpa, podendo ser realizado em sessões múltiplas ou numa única sessão. O principal objetivo é a manutenção funcional do dente, eliminando os tecidos infecionados ou necróticos do interior dos canais radiculares, prevenindo ou erradicando infeções ao nível dos tecidos periapicais.

Área da Medicina Dentária dedicada ao diagnóstico e tratamento das patologias associadas à articulação temporomandibular, aos músculos da mastigação e à oclusão dentária. A estabilidade desta articulação depende não só de um correto funcionamento dos músculos da mastigação, como também de um equilíbrio da oclusão (forma como os dentes “encaixam” uns nos outros). Trata-se de uma região suscetível de alterações, registando-se com frequência as chamadas disfunções temporomandibulares, como espasmos musculares, deslocamento do disco, acompanhado de estalidos ou crepitações e dores que se podem estender desde a região dos ouvidos até à cabeça, nuca, pescoço e ombros.

A reabilitação oral tem como finalidade restabelecer a saúde oral do paciente, devolvendo-lhe a sua função mastigatória e estética, que no decorrer dos anos foi afetada ou perdida. Requer um correto diagnóstico e um planeamento protético (próteses fixas ou removíveis) ajustado às expectativas do paciente e às indicações clínicas.

Agendar uma consulta